Ergonomia no setor de carga e descarga das indústrias

Ergonomia no setor de carga e descarga das indústrias

Sabia que a maior parte dos casos de afastamento do trabalho ocorrem por causa de problemas musculoesqueléticos como a lombalgia? Isso acontece porque as atividades laborais em muitas empresas estão mal adaptadas à fisiologia de seus colaboradores.

Como resultado, a quantidade de acidentes e incidentes cresce, gerando uma força de trabalho que tem dificuldades para manter-se produtiva. Existe algo que pode ajudar: a ergonomia. Essa área da ciência é dedicada a melhorar a adaptação de coisas a humanos e melhorar atividades laborais de diversos setores. A área de carga e descarga de uma indústria precisa de sua aplicação e consegue inúmeros benefícios através dela.

Quer aprender a usar a ergonomia para melhorar o bem-estar e a produtividade dos funcionários? Continue lendo esse artigo para conhecer dicas valiosas.

O que é ergonomia?

A ergonomia é uma área que estuda a interação entre humanos e outros objetos ao seu redor. Através desse conhecimento é possível adaptar os objetos para melhorar o bem-estar humano. Há 3 divisões da ergonomia:

  • Ergonomia física: estuda as características humanas, como anatomia e biomecânica, em relação a atividades físicas. Aborda tópicos importante para o ambiente industrial, incluindo postura no trabalho, movimentos repetitivos e manuseio de materiais;
  • Ergonomia cognitiva: aborda processos mentais, como cognição, memória, aprendizado e tomada de decisões;
  • Ergonomia organizacional: aborda a relação humana com organizações e pode ser usada para otimizar políticas e processos.

As três áreas são relevantes para a indústria e merecem atenção, mas nesse texto daremos um foco especial à ergonomia física. É ela que determina quais são as boas políticas ergonômicas para realizar diversas atividades dentro da indústria. Sua aplicação também ajuda na prevenção de lesões e acidentes com colaboradores.

Importância da ergonomia no setor de carga e descarga

A ideia que se tem ao falar de ergonomia é de uma ciência que só possui lugar em laboratórios e áreas de pesquisa de grandes empresas. Na verdade, ela está relacionada a atividades industriais e a ergonomia no setor de carga e descarga é essencial.

Profissionais do setor utilizam seu corpo como ferramenta de trabalho em diversas situações. As atividades estão relacionadas a levantamento de cargas, agachamento e deslocação de materiais. Quando realizadas de maneira incorreta, o funcionário pode acabar com lesões e dores.

O setor de carga e descarga possui altos índices de acidentes, traumatismos musculoesqueléticos e patologias da coluna. Um ótimo exemplo é a lombalgia, problema que atinge boa parte da população adulta em alguma parte da vida e está responsável por diversos casos de afastamento do trabalho por razões médicas.

A alta incidência de problemas musculoesqueléticos e traumas é problema para o trabalhador e para a empresa. As dores diminuem a produtividade do funcionário, mesmo que ele não seja afastado da sua posição. E quando existe alguém afastado da equipe, a produtividade geral sofre como consequência. A qualidade do serviço prestado também pode diminuir por causa do problema.

Portanto, adotar medidas preventivas auxilia a manter e até melhorar a produtividade, além de ter uma equipe motivada e com menores índices de abstenção do trabalho.

Como aplicar a ergonomia no setor de carga e descarga

Quer evitar os diversos problemas que surgem no setor de carga e descarga? Então será preciso adaptar as atividades de trabalho e do local para o colaborador. De acordo com a ergonomia, o trabalho deve se adaptar ao homem e não o homem ao trabalho. Agindo dessa maneira os resultados são muito mais eficientes.

Para conseguir aplicar ergonomia no setor de carga e descarga é importante começar identificando os principais problemas. Boa parte das lesões no trabalho acontecem por procedimentos inadequados ou localizações que possuem fatores de risco ao colaborador. Algumas delas incluem:

  • Carga com conteúdo fácil de desequilibrar;
  • Carga difícil de carregar ou pesada demais para a habilidade do carregador;
  • Falta de espaço para o colaborador se movimentar corretamente;
  • Altura inapropriada para movimentação de cargas;
  • Postura errada para carregar cargas;
  • Chão com desníveis;
  • Uso de calçados inapropriados;
  • Falta de um período de descanso.

Após identificar quais são as inadequações do local de trabalho que podem causar lesões e traumas ao colaborador, chega a hora de corrigi-los. O primeiro passo está na instrução correta.

A maneira de levantar carga pode acabar com a saúde da coluna ou preservá-la. Também é possível que a manipulação errada de máquinas cause o problema.

Ensine aos funcionários qual é o jeito mais saudável e seguro de fazê-lo. Isso significa impor um limite de peso para as cargas carregadas, segurar o item próximo ao corpo e descarregá-lo apoiando o peso nas pernas, não na coluna.

A Faremac desenvolveu equipamentos especialmente planejados para garantir o maior conforto do colaborador. A mesa elevatória, por exemplo, evita que o operário precise levantar cargas repetidamente e possa trabalhar numa postura ereta.

Também existem esteiras, usadas para realizar transporte de produtos sem precisar de esforço excessivo do trabalhador.

Sempre que possível, os funcionários devem movimentar as cargas por rolamento. Portanto, o ideal é adotar embalagens ou equipamentos que possibilitem esse tipo de movimentação. Quando não for possível, cada um deve receber instruções adequadas.

A sobrecarga do funcionário é outro problema comum. Além de limitar a quantidade de peso que cada um pode carregar, é importante dividir o trabalho em etapas com uma atividade claramente distribuída para colaboradores diferentes.

Para economizar tempo, um trabalhador pode querer realizar todas as etapas de carga e descarga sem auxílio de outros, o que pode ser extremamente maléfico para sua saúde.

Benefícios de aplicar a ergonomia na indústria

Começar a trabalhar com a ergonomia no setor de carga e descarga traz diversos benefícios para todos os envolvidos. Nenhum deles é imediato, mas seus efeitos podem ser percebidos a médio e longo prazo. Os trabalhadores, por exemplo, deixam de ir para o trabalho por motivos médicos ou diminuem a frequência de faltas.

Com a melhora na motivação e qualidade de vida do profissional, ele também consegue assegurar diminuição do desperdício de matéria-prima, maior produtividade e dedicação à empresa. Por isso, qualquer empresa que deseje tornar-se mais competitiva precisa olhar primeiro para o centro das suas atividades: o funcionário.

De nada adianta investir constantemente em ferramentas e processos que podem ajudar a produzir mais se os próprios trabalhadores envolvidos não são capazes disso. Todos os procedimentos internos de uma empresa precisam ser adequados de maneira a proporcionar o bem-estar do colaborador.

Como recompensa, você terá uma força de trabalho muito mais envolvida e engajada, que produz mais, desperdiça menos, cumpre prazos e aumenta o lucro.

7 indicadores de produtividade industrial que você precisa monitorar

Fatores de produção: 4 elementos indispensáveis em processos industriais
Crescimento do setor moveleiro: como aproveitar essa onda
Diego Andreghetti
Diego Andreghetti
Fundador da Faremac Máquinas. Formado em Automação Industrial e Projeto Mecânico. Integrante do Comitê de Qualidade e Metalurgia do Centro Empresarial e membro da diretoria do Centro Empresarial Jovem de Flores da Cunha. Participante ativo de um grupo seleto de empresários que discute sobre empreendedorismo. Adora curtir a família e amigos, é admirador da natureza, gosta de aventuras e de fotografar paisagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *